terça-feira, 17 de setembro de 2013

Re(Verso) entrevista: João Castilho

*
OLÁ AMIGOS DA RE (VERSO). Ainda em clima de festa, pelo aniversário da Re(Verso), eu, MARCELO GARCIA, fiz uma entrevista com JOÃO CASTILHO, um grande amigo que tocou com Maria Bethânia praticamente uma década. Segue a entrevista ( que na verdade foi um bate papo descontraído), JOÃO CASTILHO conta seu começo de carreira, fala sobre seu novo cd "PERCEPÇÕES" e também sobre como foi tocar com Bethânia. E outras surpresas.
*
MARCELO: João, como sou de casa, a entrevista vai ser informal e descontraída.(RS). Então vamos lá: você começou a tocar aos nove anos de idade. Como foi essa formação musical e como começou a oportunidade de tocar profissionalmente com artistas da MPB?

JOÃO CASTILHO: Olha Marcelo, comecei bem criança tocando cavaquinho e violão de maneira lúdica. Era apenas um divertimento! No início da adolescência comecei a tocar em bandas de Rock, e aos 15 anos entrei na escola de música Pro Arte. Não fiquei lá por muito tempo, já que meu professor, Flávio Medeiros, decidiu que era melhor que eu fizesse aulas particulares com ele. Sempre fui curioso, portanto era um ávido comprador de discos e livros sobre improvisação e harmonia. Meu objetivo sempre foi me aprofundar cada vez mais no universo musical. Sobre como comecei minha carreira ao lado de artistas da MPB, tudo começou quando, enquanto ainda terminava meu curso de Engenharia, fui chamando para participar de alguns shows com o Ed Motta. Logo em seguida participei das gravações do cd “Bolero” de Nana Caymmi. Foi assim meu início.
*
*
MARCELO: João, gostaria que você explicasse como consegue se dividir em vários projetos: seu trabalho solo, suas aulas, como colunista musical, shows com artistas da MPB, produtor e diretor musical, escritor... Em resumo: como é sua rotina de trabalho? Você consegue ter tempo para dormir e para os amigos (rs)?

JOÃO CASTILHO: É uma questão de organização. Vou dando mais atenção para projetos que estão acontecendo no momento, sem abandonar os demais. Gosto de estar envolvido em projetos diferentes. É estimulante!

MARCELO: João, você está lançando um novo cd:"PERCEPÇÕES"( Que eu recomendo muito a todos, pois está lindo). Fale sobre o processo de composição e gravação dele, e o que o torna esse álbum diferente dos seus trabalhos anteriores.

JOÃO CASTILHO: Há muitos anos atrás tive a ideia criar um projeto onde minhas músicas inspirassem um fotógrafo e suas imagens me inspirassem a compor. O cd “Percepções” é fruto disto. Algumas composições foram baseadas em fotografias (de Tatyana Alves, uma amiga fotógrafa), as outras já existiam e serviram de inspiração para Tatyana.Neste disco pude contar com grandes amigos e excelentes músicos. Para os pianos convidei João Coutinho, Paulo Calasans, Fernando Moura e Renato Fonseca. Para contra baixo acústico, Rômulo Gomes e Jefferson Lescowich. Marcelo Martins gravou as flautas. A mixagem ficou a cargo do amigo e companheiro de instrumento, Torcuato Mariano. Com relação às gravações, elas aconteceram em etapas. Gravei primeiro as minhas partes (violões, guitarras, baixo elétrico, percussão e voz) e depois chamei os músicos para acrescentarem seus instrumentos. Portanto, os arranjos já estavam prontos, mas como sempre (com relação à base) deixo espaço para a criação de quem irá executá-los. Daí a importância de poder contar com artistas com quem vc se identifica muito. O cd Percepções pode ser encontrado
no site http://www.brmusicstore.com/produto/954201/CD_Joao_Castilho___Percepcoes.html

MARCELO: João, como seu amigo,já vi várias apresentações suas em diversos lugares, em shows solo ou acompanhando astros da MPB. Conte um momento marcante no palco, que lhe emocionou muito, e também um momento engraçado:

JOÃO CASTILHO: A primeira vez que subi ao palco com um cantor popular foi com o Ed Motta. Não o conhecia pessoalmente, fui substituir um guitarrista (Luiz Fernando), não houve ensaio e foi em Ubatuba (SP) para 30.000,00 pessoas. Imagine o que eu senti!!! Uma situação engraçada, posso mencionar uma que ao mesmo tempo foi estressante. Foi em um show com o Djavan, onde uma fã invadiu o palco e o roadie não conseguia impedi-la de tentar chegar ao Djavan, daí eu tive que interceder. Enquanto os dois “brigavam” ele me olhou e pediu ajuda, como estava só cantando, foi até eles e, como estavam praticamente “grudados”, peguei os dois e levei pro atráz do palco. Isto aconteceu duas vezes até o segurança chegar e resolver o problema. Foi hilário!!!

MARCELO: João, como a entrevista vai para a comunidade e blog Maria Bethânia (RE)VERSO, inevitável perguntar como foi a experiência de tocar com ela. Muitos fãs tem uma lembrança especial de você com Bethânia nos palcos, em músicas como "PURIFICAR O SUBAÉ/MISÉRIA",
"ENCANTADO", "ÁLIBI"( Particularmente a minha favorita, junto com "JOÃO VALENTÃO" com Nana Caymmi nos vocais em "Brasileirinho"). E vc, qual foi o teu momento inesquecível com a "Abelha Rainha" nos palcos?

JOÃO CASTILHO: Tocar com a Maria Bethânia foi um prazer. É uma artista única e que trata como muita seriedade seu trabalho. Sou um grande admirador do seu profissionalismo. Sempre tive uma ótima relação com ela, uma relação de carinho. Sobre momentos emocionantes, você foi certeiro em mencionar estas músicas. Sempre me emocionava ao tocá-las com a Maria.

MARCELO: João, estamos num momento complicado na indústria fonográfica.Muitas gravadoras estão deixando de lado o CD físico e apostando na música digital, ou até na volta do vinil,o famoso LP. Qual a sua opinião sobre isso e qual o formato que mais lhe agrada? Você acredita que formatos digitais algum dia substituirão completamente os formatos mais antigos?

JOÃO CASTILHO: O mercado musical está se reinventando. Como artista, tento acompanhar toda esta evolução. Não sei o que o futuro nos reserva, mas sei que teremos que nos adaptar. Sobre o formato que mais curto, sem dúvida é o vinil.
*
*
MARCELO: João, O que falta aos músicos, produtores e demais profissionais do segmento musical para exercerem sua atividade e serem bem remunerados por isso?

JOÃO CASTILHO: Um público mais exigente, educado e mais ávido a ampliar sua cultura. Sem isto, não há maior exigência à qualidade. Sabe como é, uma coisa leva a outra.

MARCELO: João, você poderia dizer quais foram os discos nacionais e internacionais que foram importantes na sua vida pessoal e profissional? O que você anda ouvindo ultimamente e recomenda a todos?

JOÃO CASTILHO: Esta é difícil. São muitos!!! O que posso dizer que vão desde de “Thriller” de Michael Jackson, “Back in Black” do AC DC, até “Luz” de Djavan. Atualmente tenho parado pouco para OUVIR música. Sinto falta disto, mas o tempo anda meio curto. Mas foi bom você tocar neste assunto, devo priorizar mais estes momentos.

MARCELO: João, a pergunta que não quer calar: quais são as músicas de Maria Bethânia que você gosta muito de ouvir?

JOÃO CASTILHO: Esta também é difícil. A Bethânia canta as músicas de Chico Buarque como ninguém. São sempre interpretações emocionantes.

MARCELO: João, qual conselho você daria para quem está começando a tocar um instrumento?

JOÃO CASTILHO: O caminho é longo, mas é muito prazeroso. Não desista. Um instrumento é um excelente companheiro.

MARCELO: Para terminar, quais são seus projetos futuros e como os leitores podem adquirir o seu novo cd?

JOÃO CASTILHO: Marcelo, ainda quero fazer muitas coisas, lançar mais discos, produzir mais artistas, participar de mais festivais, etc... Enfim, muitas novidades virão, vou te mantendo informado. Aliás, reformulei meu site (www.joaocastilho.com) e o tenho mantido atualizado com 
meus os futuros projetos.

MARCELO: Muito obrigado JOÃO CASTILHO, por ter feito essa gentileza de responder essas perguntas. Em nome de da comunidade MARIA BETHÂNIA (RE)VERSO, muito obrigado! E como amigo, agradeço em dobro!

JOÃO CASTILHO: Eu é quem agradeço Marcelo! Um grande abraço pra você e pra todos os leitores do blog.
*
João Castilho e Marcelo Garcia:
*
*
Vídeo de divulgação do novo CD de João Castilho:
*
*
*
*
*
*
*



3 comentários:

Skywalker DJ disse...

Muito bom! Grande abs e parabéns pela entrevista. $kywalker.

Diego Armando de Oliveira Ferreira disse...

Parabéns pela entrevista!
Mandou muito bem! ;)

Diego Armando de Oliveira Ferreira disse...

Mandou muito bem Marceleza!
Parabéns pela entrevista! ;)