quarta-feira, 23 de julho de 2014

Amália Rodrigues - 94 anos

Amália Rodrigues (Lisboa, 23 de Julho de 1920 — Lisboa, 6 de Outubro de 1999) foi uma fadista, cantora e atriz portuguesa, considerada o exemplo máximo do fado, comumente aclamada como a voz de Portugal e uma das mais brilhantes cantoras do século XX. 


Tornou-se conhecida mundialmente como a Rainha do Fado e, por consequência, devido ao simbolismo que este gênero musical tem na cultura portuguesa, foi considerada por muitos como uma das suas melhores embaixadoras no mundo.

Hoje, no aniversário de 94 anos de Amália, nossa homenagem se faz, através da maior atriz brasileira de todos os tempos, Dona Bibi Ferreira, em uma interpretação “mediúnica” de Amália, cantando um dos maiores sucessos da inesquecível Rainha do Fado


Dona Maria e Amália eram amigas. Aqui, para mim, a maior de todas as interpretações, por Bethânia, do “Cântico Negro” e do fado “Estranha forma de Vida”, este, composição de Alfredo Duarte e Amália Rodrigues

*
*
*

quinta-feira, 17 de julho de 2014

(Uma outra) "Festa"

"Bela é a BAHIA pegando fogo na pisada do maracatu"

Errei a letra não, vejam:



*
*
*

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Elizeth 94

Elizeth Cardoso, nasceu, em 16 de julho de 1920,conhecida como A Divina, Elizeth é considerada uma das maiores intérpretes da música brasileira e uma das mais talentosas cantoras de todos os tempos, reverenciada pelo público e pela crítica.Elizeth Cardoso morreu de câncer, aos 70 anos em 07 de maio de 1990. Mais de 80 impecáveis discos eternizam sua bela voz.

Neste vídeo, Elizeth Cardoso & Baden Powell, nos emocionam ao máximo numa interpretação antológica de 'Apelo', de Vínicius de Moraes:

"Ah, meu amor não vás embora
Vê a vida como chora, vê que triste esta canção
Não, eu te peço, não te ausentes
Pois a dor que agora sentes, só se esquece no perdão
Ah, minha amada me perdoa
Pois embora ainda te doa a tristeza que causei
Eu te suplico não destruas tantas coisas que são tuas
Por um mal que eu já paguei"




*
*
*

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Waly sobre Bethânia - 1980

"As coisas miúdas e o ideal, o sagrado e o profano se amalgamam na garganta desta mulher de cor brasileira."

Em tempos de lançamentos de/sobre Waly Salomão, um belo texto dele sobre Bethânia, escrito para o lançamento do show "Mel" (1980).

*
Cliquem sobre a imagem para ampliar
*

*


sábado, 5 de julho de 2014

Maria Bethânia & Gilberto Gil

Em minha opinião o melhor companheiro de Bethânia no palco, entre os "Bárbaros", é Gilberto Gil.

Duas músicas do show que Bethânia & Gil fizeram em 2001.

Um momento de extrema delicadeza.
.
.
"Irmão, irmã, irmã, irmão de FÉ faca amolada
.
.
"Eu quero te mostrar
As marcas que ganhei
Nas lutas contra o rei
Nas discussões com Deus
E agora que cheguei
Eu quero a recompensa
Eu quero a prenda imensa
Dos carinhos teus"
.
.
Para alegrar (ainda mais) a noite de sábado.

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Todo mundo pra Missa na Igreja de São Conrado/RJ


*
*
*

"Mãe Maria"

No livro "Parceiro da Glória - Meio Século na MPB" (1983) o jornalista e compositor David Nasser escreveu sobre Bethânia:

"Não sei onde essa fabulosa e selvagem Maria Bethânia desenterrou três velhas canções minhas, "Mãe Maria", "Camisola do dia" e "Atiraste uma pedra". A primeira é antediluviana. Tem música de Custódio Mesquita (que também emprestou sua belíssima melodia a outro samba meu, "Algodão", gravado por Sílvio Caldas). As duas outras foram feitas de parceria com o imortal Herivelto Martins, na mesma época em que lançamos "Pensando em ti", "Se adormeço", "Carlos Gardel", "Mamãe", "Serenata a Nossa Senhora". (É tão maciço o número de sucessos de Herivelto que a equipe de Boni, no especial que lhe fez, selecionou nada menos de oitenta músicas e teve de espremer para exprimir a vida musical do dono do Trio de Ouro em dois capítulos. Com Dorival Caymmi vai ser mais fácil: é preguiçoso e só produz obra-primas).
Onde, onde Maria Bethânia desenterrou essa canção feita antes dela existir? Mãe Maria de todos nós.


 "Mãe Maria de voz doce e sonolenta
Mãe Maria que chorava no meu pranto
Mãe Maria que embalava minhas lendas
Mãe Maria que sonhava nos meus sonhos..."